RT Clarion - шаблон joomla Форекс
Domingo, Dezembro 17, 2017

Seminário discute impactos de Belo Monte na pesca na região do Xingu

Um tradicional modo de vida modificado como consequência das obras da Usina Hidrelétrica Belo Monte: o dos pescadores. O assunto foi debatido durante o I Seminário Status da Pesca na Região Impactada por Belo Monte, realizado nos dias 29 e 30 de maio, no Auditório Petrini Girardeli, da UFPA. O pescador Edvaldo Xipaia compareceu ao encontro e fala da realidade da comunidade nos dias atuais. “O empreendimento não quer reconhecer a categoria pesqueira como impactada, o tempo vai passando e isso traz uma grande preocupação pra nós que nunca ganhamos nem um remo sequer pra pescar. Todos os dias estamos batendo na mesma tecla. O peixe hoje desapareceu com o enchimento do lago (da hidrelétrica)”, afirma.

 

 

O Seminário foi realizado pela Fundação Viver, Produzir e Preservar, FVPP, com apoio do Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável do Xingu, PDRSX (projeto 105-2014), e reuniu instituições como Norte Energia, Ministério Público, Defensoria Pública, Procuradoria, órgãos de proteção ao meio ambiente e associações de pescadores de Altamira e outros municípios da região.

 

O objetivo do encontro é analisar exatamente a situação em que essas famílias tradicionais e ribeirinhas se encontram, com as mudanças ocasionadas pela construção da usina. “Queremos promover um processo de interação dessa categoria, que está discutindo todo o Termo de Compromisso feito entre Norte Energia, Governo Federal, relacionado ao Plano Básico Ambiental das condicionantes de Belo Monte”, explica o representante da FVPP, João Batista Uchôa. Para ele, dos compromissos feitos com os pescadores, muito pouco foi cumprido. “Trata-se de uma categoria que foi muito prejudicada socialmente com a escassez do pescado e não houve uma reparação no sentido desse impacto que foi causado pela questão de Belo Monte”, alerta.

 

Segundo os ribeirinhos, desde o início das obras, no papel, o sustento das comunidades que dependiam da pesca na região está garantido, mas na prática, a realidade é outra. “Nós entramos na área do impacto, mas nunca ninguém se manifestou para dar qualquer tipo de justificativa e nem de indenização. Então nossa briga hoje é por essas indenizações e o que eles devem fazer por nós”, aponta Edvaldo Xipaia.

 

A partir do seminário, um plano estratégico de ação será traçado para fortalecer a organização dos pescadores. “Tem muita família que hoje, após a criação do Conselho Ribeirinho, em janeiro de 2017, foi reconhecida pelo Governo Federal. Esse conselho foi criado pelos nativos ribeirinhos e já localizamos muitos colegas que viviam da atividade pesqueira e hoje moram de favor na cidade e passam necessidade”, argumenta Edvaldo. Uma comissão permanente foi formada, com representantes de cada organização presente, para fazer um monitoramento constante e dar continuidade à estratégia de aquicultura e pesca. “Hoje eu tive mais uma esperança com a presença de vários órgãos que estão nos apoiando aqui hoje”.

 

Assessoria de Comunicação FVPP