Dialogando sobre mecanismos financeiros para a Agricultura Familiar na Transamazônica e Xingu

Nos dias 09, 10 e 11 de agosto de 2023, representantes da Fundação Viver, Produzir e Preservar (FVPP) se reuniram com Gerente do Sicredi Altamira – José Roberto Lima, Rubens Lopes Neves – Bancário responsável pelos créditos rurais na agência do Banco do Brasil de Altamira, Socorro Silva – Gerente do Banco da Amazônia e Márcia de Oliveira representante do Sebrae, Altamira.

Fotos: FVPP/2023

Com isso, foi dialogado acerca das opções de crédito rural que os agricultores têm disponível, são elas:

  •  Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf): Este programa oferece crédito rural com condições especiais para agricultores familiares, com taxas de juros reduzidas e prazos de pagamento estendidos;
  • Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp): Destinado a produtores rurais de médio porte, o Pronamp oferece crédito com taxas de juros competitivas e prazos flexíveis;
  • Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro): O Proagro oferece garantias para operações de crédito rural, protegendo os produtores contra perdas decorrentes de adversidades climáticas, doenças e pragas.
  • Programa de Sustentação de Investimento (PSI): Este programa oferece financiamento para investimentos em infraestrutura, máquinas e equipamentos agrícolas, bem como tecnologia e inovação no setor agrícola;
  • Cédula de Produto Rural (CPR): A CPR é um título de crédito utilizado para financiar a produção agrícola. Os produtores rurais podem emitir a CPR e vendê-la a investidores em troca de financiamento para suas atividades;
  • Crédito para a agricultura sustentável: Em resposta à crescente demanda por práticas agrícolas sustentáveis, algumas instituições financeiras oferecem crédito específico para projetos que visam à conservação ambiental e à agricultura de baixo impacto. Como é o caso do Banpará-Bio.

As condições, taxas de juros e requisitos para acesso ao crédito rural podem variar amplamente, e é importante que os agricultores e produtores rurais consultem os órgãos governamentais relevantes, bancos e instituições financeiras para obter informações atualizadas sobre as opções de crédito disponíveis e suas condições. Além disso, é importante considerar a assistência técnica e a consultoria financeira para tomar decisões informadas sobre o crédito rural.

Em síntese uma das ferramentas primordiais que o agricultor precisa estar atento antes de acessar qualquer tipo de crédito é a educação financeira para que de forma eficaz e responsável, eles estejam preparados para tomar decisões financeiras informadas, gerenciar riscos, otimizar a utilização do crédito e manter operações agrícolas sustentáveis. Além disso, a regularização fundiária é uma etapa que necessita de melhoria pois o acesso ao crédito rural promove o crescimento sustentável no setor agrícola. Uma vez regularizado se cria um ambiente favorável para o investimento, reduzindo o risco para os credores e incentivando o desenvolvimento rural.

Neste sentido, ficou alinhada a ideia de incentivar a educação financeira através de oficinas e dias de campo que ocorrem no projeto “Solucionando o quebra-cabeça da Amazônia sem desmatamento” em parceria com o SEBRAE e também com o SICREDI, que em conjunto trabalharão para auxiliar o pequeno produtor a ter melhor controle de sua safra e regularização de seus documentos para acessar crédito rural.

Esta iniciativa é apoiada pelo Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) e Agência Norueguesa de Cooperação para o Desenvolvimento (NORAD/Puzzle).