Profissionais da Comunicação do Oeste do Pará debatem sobre desmatamento e conflitos agrários na Amazônia

Nos dias 9 e 10 de novembro, a Fundação Viver, Produzir e Preservar (FVPP) realizou o painel sobre o ‘O papel da comunicação diante das questões ambientais no Oeste do Pará’. Os dois dias de encontro reuniu cerca de 50 profissionais da comunicação no auditório da Universidade Federal do Pará e contou com apoio da Climate and Land Use Alliance por intermédio do Projeto Governança Socioambiental.

O objetivo foi levar até os profissionais de comunicação e público interessado a reflexão sobre a atual conjuntura que vive o país, indagando a importância do fim do desmatamento na Amazônia e diminuição dos conflitos agrários, bem como pensar em ações efetivas em seus meios que venham a contribuir com o fim do desmatamento e conflitos agrários na região, por intermédio de denúncias e coberturas jornalísticas. Participaram do evento comunicadores de Altamira, Anapu, Brasil Novo, Medicilândia, Pacajá, Placas, Senador José Porfírio, Uruará e Vitória do Xingu.

O primeiro dia de discussões o representante da FVPP, João Batista Uchoa destacou a importância da imprensa na região e o seu papel diante das questões ambientais. A jornalista Raiany Brito problematizou sobre o papel da comunicação diante do desmatamento na Amazônia. Em seguida, representante do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), Luciano Bazzoni, palestrou sobre a atuação do órgão na região. Também participaram representantes da Secretarias Municipais de Meio Ambiente de Altamira e Brasil Novo.

O encontro ainda contou com a participação de profissionais com grande experiência no campo ambiental. Na ocasião, compartilharam seus conhecimentos com os colegas. A repórter da TV Liberal, afiliada da Rede Globo, Cristiane Prado apresentou um vídeo de uma ação de fiscalização ambiental a qual participou e ganhou repercussão em reportagem exibida em âmbito nacional.

A jornalista Karina Pinto do Xingu 230 colaborou compartilhando sua experiência em Redes Sociais e destacou o formato de apresentação do Xingu 230, além de produção de conteúdo, espaços que atua, e público alvo.

A jornalista Juliana Pronunciatti, radialista da Rádio Vale do Xingu colaborou expondo sobre o desempenho e papel importante das rádios na construção da cidadania por meio das ondas sonoras. Também salientou que muitos ouvintes na Amazônia Legal se utilizam das rádios como o veículo principal de fonte de informação.

O segundo dia tratou sobre o papel da comunicação diante dos conflitos agrários na Amazônia. O Professor Doutor Mario José Henchen da Universidade Federal do Pará (UFPA) expôs o mapa do Conflito Fundiário na Região Oeste do Pará transpassando desde século XVII até os dias atuais.

Após a apresentação os participantes se dividiram em dois grupos e reuniram uma chuva de ideias para o futuro, tendo como base a seguinte questão: qual o papel da comunicação diante do desmatamento e conflitos agrários na Amazônia?

Ao final do encontro a FVPP apresentou o Projeto Governança Socioambiental, realizou o lançamento do Informativo FVPP e entregou certificados aos presentes.

“Acredito que o encontro conseguiu estabelecer parceria entre órgãos ambientais e meios de comunicação na contenção do desmatamento e na defesa de um modelo desenvolvimento sustentável”, avaliou Aparecida Brandão, coordenadora da FVPP.